21/05/2017

[Resenha]: Entre vidas - Lise

Olá, escudeiros!! No post de hoje, a resenha será muito especial, pois é a resenha de uma autora muito querida e parceira do blog e do canal. Entre Vidas: Lise é o volume dois do Entre Vidas: Kiara (resenha aqui), de quatro volumes relatando reencarnações de Kiara em diferentes séculos.




Autora: Juliana Leite
Páginas: 198
Editora: Lotus Editora
Ano de lançamento: 2017
Sinopse: Lise é uma jovem que viveu sua vida sozinha roubando para sobreviver entre as ruas da Londres recém fundada pelos romanos. Sua vida muda completamente quando encontra dois rapazes que tenta enganar. Ela descobre suas origens, revisita seu remoto passado e tem que enfrentar as duras consequências de seus erros que poderão para sempre a afastar da possibilidade de viver o amor que vem em sua alma há séculos. No segundo volume de Entre Vidas a filha favorita da Deusa terá que encontrar forças dentro de si para ajudar os celtas a conter o avanço dos romanos. E veremos como uma pessoa sem honra e assassina fria, pode se transformar numa heroína para seu povo.




   Opinião: Ao ler Kiara pela primeira vez foi algo muito diferente dos gêneros de leituras que estou acostumada a ler, já era um "desafio" e, também, criei muitas expectativas na historia e no fim da historia estava surtando e arrancando os cabelos!! Adorei o livro e a historia, mas como nem todo livro é perfeito, teve pontos em que me decepcionaram. 
Quando descobri que seria uma série de quatro livros e que se tratava da reencarnação de Kiara, eu adorei e já estava contando os dias para ser publicado Lise: Entre Vidas. Quando enfim eu recebi o livro, terminei em um dia. 😩 
  Este e os próximos livros da série vão se tratar de reencarnações de Kiara, que é uma jovem princesa que foi mandada para Ávalon a fim de tornar-se a Grã Sacerdotisa de Atlântida e, neste volume dois, ela reencarna como Lise, uma jovem que cresceu nas ruas de Londres, sempre roubando para sobreviver. Existem diversas diferenças entre elas, mas acredito que esta uma das maiores. 
  Juntamente com um "amigo de infância", chamado Kent, Lise rouba a filha do governador conseguindo joias refinadas e de extremo valor que ajudará os dois financeiramente. Mais tarde, Lise encontra no bar dois rapazes, Nolan (reencarnação do seu irmão na vida passada, Edímion) e Úrien (reencarnação do seu amor na vida passada, Dárien) e rouba os viajantes, porém ela acaba sendo descoberta e ambos - os quatro - são presos pelos romanos acusados de roubar as joias da filha do governador. 
  Na prisão onde ficam confinados ocorre uma rebelião e fogo se espalha por todos os lugares, com as habilidades de luta de Lise e rapidez, eles fogem da prisão. Neste momento, Lise toma uma dos maiores erros de alguém sensato, como dito, Lise é uma reencarnação e não existe nenhum traço semelhante com o de sua vida passada, ela deixa para trás preso entre os escombros da prisão Kent o seu parceiro no roubo. 
  Nolan e Úrien reprovaram a ação da jovem e acabam ficando reclusos em relação a ela. Mas o real motivo pelo qual eles viajam por estas terras é, por causa, de uma ordem de vossa mãe que procura uma mulher com os mesmos traços de Lise e que carrega consigo um medalhão idêntico ao dela. Sem ter aonde ir e nem dinheiro para permanecer na cidade, Lise resolve acompanhar os rapazes se assim for ela que estão procurando. No caminho para as terras de Nolan e Úrien acabam conhecendo Riley (Leram, um rapaz apaixonado por ela na sua vida passada), determinado a protege-la de todo e qualquer perigo. 
  O caminho não fácil de percorre, houve lutas e briga entre eles. Chegando lá, Lise descobre que é neta da líder da aldeia dos rapazes e terá muitas missões a cumprir, a principal delas será conter o avanço romano com o poder da Deusa. 
  A historia tem seus autos e baixos, me arisco dizer: mais baixos do que altos, em minha opinião. A narrativa é em terceira pessoa e torna empolgante os fatos decorrentes, os personagens são bem criados e tudo é muito bem descrito. Contudo, fiquei realmente decepcionada com as atitudes de Lise, durante todo o livro ela comete erros desumanos e, claro, possui consequências, mas que ainda assim continua cometendo outros e, que ao meu ver, são desnecessários e especulações sem nexo. Lise é uma personagem egoísta e por ter morado tanto tempo na rua, achei que ela seria mais "generosa", em alguns aspectos. Vemos a personagem evoluindo durante as páginas, mas até que isso ocorra completamente ocorrera muitos problemas. 
  Úrien é um personagem teimoso e que possui bastante semelhanças com sua vida passada, mas, em certos momentos, achei que ele deixava a raiva guiar ele e, assim como Lise, cometia erros. Lise comete um grande erro capaz de faze-lo odiá-la para sempre e toma uma decisão radical para esquecer a protagonista, mas felizmente, concerta o erro. 
  Riley é o único que sabe sobre sua vida passada e continua apaixonado por Lise, ele mostra mais maturidade do que em sua vida passada e se torna de mais confiança para os leitores. Ele se tornou um dos meus personagens preferidos durante o livro todo. 
 O ponto mais positivo nesta historia é, sem sombra de duvidas, Nolan. Em sua vida passada, ele tinha uma cabeça fraca e não sabia lidar com problemas, mas neste livro, Nolan demostra maturidade e se torna confidente de Lise. Tanto com Úrien quanto com Lise, ele tem uma relação forte, é prestativo e indica os melhores caminhos para se fazer a coisa correta. 
  Um dos pontos que me decepcionaram e que eu acho que deve ser trabalhado nos próximos livros são: A rapidez dos fatos, é claro que nenhum leitor gosta de historias demoras e paradas, sem acontecer nada, mas livro em que o intervalo entre um acontecimento e outro é pequeno, parecem ser mal construídos. Situações que realmente se encaixam na época, livros que se passam em séculos, décadas ou anos diferentes tem que ter um estudo a fundo sobre os costumes, a autora mostrou um grande entendimento em questões históricas (imperadores, dominação romana, leis da época...), mas em questões de castidade, religião e outros, eram muito irreais, por assim dizer. ⇢ Eu me senti em uma novela mexicana, em que os personagens complicam o que não devem. 



  Mas, eu adorei o livro, esperei por muito tempo o lançamento dele e me fez sentir o mesmo gostinho das lutas e das intensas relações em Kiara. O final é inesperado e rápido, mas não me desagradou.


                                                       Classificação:

Biografia da autora: 

Juliana Leite nasceu em 15 de abril de 1988, na cidade de Campinas Grande, Paraíba. Hoje reside na capital João Pessoa. Apenas na adolescência veio a paixão pela literatura graças aos livros de J.K.Rowling. Paixão que fez cursar Letras com habilidades em língua inglesa pelo UFCG. Casada desde 2011, divide a casa com seu esposo e seus amados cães (...) Entre Vidas possuiu forte influencia da obra de Marion Z. Bradley e mostra mais duas  paixões da autora: Historias, outras culturas e religiões. Começou a escrever a historia que não encontrava para ler:  Que envolvesse misticismo, batalha e com uma escrita dinâmica e leve. 

  

16/03/2017

[Resenha]: Uma vida para sempre - Simone Taietti

Olá, queridinhos!! A resenha de hoje é de um livro recebido de parceria com a autora. Sou muito grata a Simone pela oportunidade de conhecer esta historia e mudar meu jeito de ver o mundo, as coisas e a vida. O livro se chama: Uma Vida para Sempre, vamos para a resenha?

Autora: Simone Taietti
Páginas: 352
Editora: Talentos da Literatura Brasileira - Novo Século
Ano de lançamento: 
2014
 
Sinopse: Uma vida para sempre - Ethel diz estar morrendo. Contudo, não afirma isso apenas em razão de sua doença. Talvez a única certeza de nossa existência seja a morte, o fato de que ela chega para todos. Mas nem por isso deixa de ser a maior incógnita da vida.
Em um hospital, em meio à dor das histórias dos pacientes, Ethel encontrou amigos. Entre passeios em cemitérios, frequentando velórios e enterros de estranhos, ela tenta preparar a si e aqueles que ama, para o que parece estar ali tão próximo, o fim. Entretanto, não esperava enfrentar algumas surpresas que a fizessem duvidar de tal preparação.
As estatísticas ruins, a inexorável passagem do tempo. Onde reside a lógica disso que nos arranca pedaços, da súbita inexistência do que outrora era vívido e pulsante? Um corpo que jaz. Palavras que se perdem. A finitude de tudo o que é tão belo talvez seja a maior dor do mundo.
Uma vida para sempre é um compilado de desejos, pensamentos e dias.
Quanto dura o para sempre?
Ethel descobriu. 




 Opinião: No início da historia temos a marcante presença de Ethel, uma garota de 17 anos que teria tudo para ser normal, mas ela não esconde o fato de ter uma doença rara que aos poucos pode a matar, na verdade, Ethel diz estar morrendo. A sigla para o motivo de toda sua dor é CIPA (Insensibilidade Congênita á Dor com Anidrose), ou seja, esta doença não permite que ela controle a temperatura de seu corpo e, independente do que aconteça, ela não transpira ou sente dor.  O motivo de estar morrendo?


 Não é causada por sua doença, e sim, por se sentir trancafiada nos cuidados de sua mãe que não a permite estudar, nem trabalhar e se relacionar os amigos incomuns que tem, isto a deixa com pensamentos incertos sobre a vida que esta levando. Entre uma consulta e outra, ela anda pelos corredores do hospital e vive em constante presença com a historia de pacientes, desta forma encontrou amigos, que apesar das peculiaridades, se tornaram fieis e especiais para ela. Apesar, de estar na constante presença da morte, essa é a única certeza de sua vida, um dia todos morreram e por isso Ethel não tem medo da morte.
  Surpreendentemente, em mais uma quimioterapia de rotina, ela conhece um rapaz de forma imprevisível chamado  Vitor que possui uma doença a Leucemia Mieloide Aguda  e a trata para cura-la. Mesmo com todos os problemas, Vitor é positivo e isto chama a atenção de Ethel. Após descobrir coisas em comum, ela se sente intimidada a se encontrar mais vezes com Vitor e, por coincidência, o encontro deles é permitido com mais frequência. O conhecimento que trocam não são tão maiores quanto o amor que alimentam.
  A narrativa do livro é completamente em primeira pessoa, narrado pela Ethel, é tocante a forma como a personagem se comunica com o leitor. Maior parte das vez, vemos palavras "meio que difíceis", mas que enriquecem o vocabulário e que não incomodam - pelo menos não a mim - com a presença da narrativa marcante que não permite seu descanso entre um capitulo e outro, pois se sente tentado a ler o próximo. Os personagens são bem criados, você os ama - em certos momentos - e os odeia - em outras situações, vemos o crescimento mental do personagem e sem perceber, estamos crescendo junto. 

  A forma como Ethel pensa, não é errado, mas vejo como inapropriado. Se pensarmos que vamos morrer amanhã, ou daqui a dois dias, daqui a um mês, um ano depois e pensar, até mesmo, que um dia vamos morrer é não aproveitar os momentos que a morte te concedeu antes dela chegar. Sua obsessividade pela morte, me fez acreditar que ela queria morrer, não pelo bem dos outros que convive, e sim, para sí. 
  Este é a aquele livro, com lições. Com ensinamentos para serem levados para toda a vida: "Aproveite os momentos antes que você os esqueça". 


                                                    Classificação:

Bibliografia da autora:
Nasceu em 1994, ano em que o mundo perdeu Kurt Cobain e Ayrton Senna e em que Nelson Mandela tornou-se o 1º Presidente negro da África do Sul. 
Descobriu ainda no Ensino Fundamental sua grande paixão: a escrita. Tem preferência pelas histórias palpáveis, a inconstância da vida, aquilo que pode acometer qualquer um. 
Em 2011, foi uma das ganhadoras do 7° Prêmio Construindo a Igualdade de Gênero, na categoria estudante de Ensino Médio, concorrendo com 3.375 outros textos.
"Uma vida para sempre" é seu primeiro livro publicado.
Vive em Tangará – SC. É acadêmica de Direito na Universidade do Oeste de Santa Catarina. Divide seu tempo livre entre a escrita, leitura, estudos e os seriados de que tanto gosta.